Notícias



Forte adesão pode levar Vale a antecipar ida a Novo Mercado

A adesão maciça dos investidores à conversão voluntária de ações preferenciais (PNA) em ordinárias (ON) da Vale, encerrada na sexta-feira à noite, pode levar a mineradora a acelerar a migração para o Novo Mercado da B3, na avaliação de fontes ouvidas pelo Valor. Pelo plano original, essa migração vai ocorrer só em 2020, mas dado o sucesso da operação há chances de se tentar antecipar esse prazo. No total, detentores de 1.660.581.830 de ações preferenciais aderiram à proposta de reestruturação societária feita pela companhia, número equivalente a 84,4% dos papéis preferenciais em circulação, excluídas ações em tesouraria.

Houve uma sobra de 15,6% de preferenciais que permanecem em mãos de investidores da mineradora, sobretudo no mercado brasileiro. Informações extra-oficiais dão conta de que a Capital Group, principal preferencialista da Vale, com cerca de 20% dessa classe de papéis e que se opôs à operação desde o início, acabou aderindo à conversão de suas ações.

Em comunicado na sexta-feira, o diretor-presidente da Vale, Fabio Schvartsman, disse que estava muito satisfeito com o resultado, que superou as melhores expectativas. Foi dado um importante passo para que possamos transformar esta companhia na corporation que todos queremos que ela seja, uma empresa com os mais altos padrões de governança, destacou.

A partir de agora, a tendência é que as ações preferenciais da Vale percam liquidez, a qual passará a estar concentrada nas ações ordinárias, com direito a voto. Hoje, essa nova relação de liquidez entre ONs e PNAs de Vale estará expressa na B3, com a ação preferencial sendo excluída dos índices da bolsa.

Segundo fontes, a Vale vai analisar alguns cenários sobre o que fazer com essa sobra de PNs. A mineradora deve estudar a possibilidade de uma nova conversão de ações PNA em ON, mas não está claro se essa operação poderia ser novamente voluntária ou então mandatória (obrigatória). E também não se sabe qual seria a relação de troca, se poderia ser, por exemplo, inferior à operação já encerrada e que considerou um índice de 0,9342 ação preferencial por ordinária, desconto de pouco mais de 6% aos preferencialistas.

Na primeira fase do processo, a Vale não quis se arriscar a fazer uma operação mandatória, pois ela embute o risco de os investidores dissidentes optarem pelo direito de retirada ou recesso, segundo o qual o acionista pode querer vender suas ações pelo valor patrimonial e não pelo valor de mercado.

Na sexta-feira, o valor patrimonial da ação da Vale estava na faixa de R$ 26 por papel, abaixo do valor de mercado. Mas, se em algum momento essa relação se inverter e o valor da ação patrimonial for superior ao do mercado, o investidor pode optar pelo direito de recesso – dentro de uma operação de conversão mandatória -, impondo à empresa o risco de se descapitalizar.

Antes de conhecido o resultado final da operação – com números parciais até então de 72,2% de adesão, divulgados na quinta à noite -, a corretora Itaú BBA divulgou relatório no qual estimou que uma eventual operação mandatória envolvendo uma sobra de 10% de preferenciais poderia custar à Vale US$ 1,6 bilhão.

Depois de encerrado prazo para conversão, a Vale terá que implementar uma série de medidas dentro de um processo que pode levar cerca de 60 dias. Essas medidas foram aprovadas na Assembleia Geral Extraordinária (AGE) em 27 de junho, quando os investidores presentes votaram majoritariamente pela conversão de ações PNA em ON da mineradora.

O deságio imposto às PNs não impediu uma forte adesão dos investidores à operação, estimulados por uma grande campanha em mídia feita pela Vale, como há tempos a mineradora não fazia, e pela perspectiva de uma valorização das ações no futuro como resultado de uma melhor governança corporativa na empresa.

Agora, será convocada uma AGE da Valepar, a holding que controla a Vale, para deliberar sobre a sua incorporação pela companhia, com o pagamento de um prêmio de 10% aos controladores (Bradespar, BNDESPar, fundos de pensão liderados pela Previ e Mitsui). Na visão do mercado, a Bradespar é uma das maiores beneficiadas pela operação.

Ainda nesta semana deve ser assinado novo acordo de acionistas da Valepar, que terá validade de três anos (até 2020). Na vigência desse acordo, o bloco composto pelos integrantes da holding será obrigado a manter o mínimo de 20% do capital total da Vale. E nos seis primeiros meses, a contar da celebração do acordo de acionistas, haverá o chamado lock up: os ex-integrantes da Valepar estarão proibidos de negociar suas ações, inclusive as que excedam os 20% vinculados ao acordo.

A Vale também deverá realizar uma assembleia de acionistas para eleger dois conselheiros independentes para o conselho de administração da companhia.

Pelo cronograma original, ao fim da reestruturação societária, os ex-integrantes da Valepar ficarão livres para vender toda sua participação acionária. A única restrição é que nenhum acionista individual poderá deter mais de 25% do capital da empresa. Se isso acontecer, terá de haver uma oferta pública de ações, mecanismo previsto por cláusula de poison pill no estatuto da mineradora.

Fonte: Valor Econômico



SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE TRANSPORTES FERROVIÁRIO E METROVIÁRIO DOS ESTADOS DA BAHIA E SERGIPE.
Rua do Imperador, nº 353 - Mares - Salvador-BA | Tel: (71) 3505-1263 - Tel: (71) 3505-1258
Diretoria de Comunicação: Guilhermano da Silva Filho | Jornalista: Rodolfo Ribeiro ( DRT/BA - 3452 )

SINDIFERRO. © 2021. Todos os direitos reservados.