Notícias



Minério ferro representará 70% do resultado em 2 anos

O novo presidente da Vale, Fabio Schvartsman, quer dar maior diversificação à geração de resultados da companhia, diminuindo a dependência do minério de ferro. No terceiro trimestre do ano passado, 88% do Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) da empresa, maior produtora da commodity, veio da área de ferrosos. Nos próximos dois anos, disse o executivo, a participação nos resultados deve cair para 70%.

“Umas das nossas missões é dar maior atratividade à área de base metals (metais não ferrosos”, declarou Schvartsman, em evento do Credit Suisse realizado em São Paulo. “Nossa operação de cobre vai bem, o que significa que o que temos de fazer, na verdade, é arrumar a operação de níquel.”

Na área de logística, o presidente da Vale ressaltou a importância de permanecer com a participação especialmente na VLI, que divide com Brookfield, Mitsui e FI-FGTS. Hoje a Vale tem cerca de 38% do negócio.

“Queríamos voltar a ter a participação total da VLI”, disse Schvartsman. “Mas, nas conversas com os outros acionistas, acreditamos que nenhum tenha a intenção de vender.

 

Prêmio

 

O prêmio que principalmente as siderúrgicas chinesas estão pagando por um minério de ferro de maior concentração — e com menos impurezas —, por questões ambientais e de eficiência das usinas, provavelmente é uma mudança do mercado transoceânico que “veio para ficar”, disse Schvartsman.

Ele lembrou que, nos últimos meses, essa diferença entre o produto mais puro tem se sustentado fortemente em ao menos US$ 15 por tonelada. Para o executivo, dificilmente haverá uma queda considerável nesse prêmio. “Os preços em geral das commodities têm se sustentado bem”, afirmou. “O minério de ferro ainda tem essa particularidade, que é a poluição. O Brasil entra nesse processo pela porta da frente, porque Carajás [PA] tem o minério em grande quantidade com maior teor do mundo, perfeito para as siderúrgicas chinesas.”

 

Dívida

 

O presidente da Vale afirmou que, alcançando a meta interna de reduzir o endividamento líquido para US$ 10 bilhões antes do cronograma inicial, em meados deste ano, não faria sentido para o equilíbrio econômico-financeiro da companhia cortar ainda mais a dívida.

Ele lembrou que o balanço de 2017, a ser apresentado no fim de fevereiro, já trará uma cifra “desatualizada” das obrigações financeiras, dado que ainda não contabilizará a entrada de caixa com a venda da área de fertilizantes para a Mosaic e a chegada dos recursos do “project finance” do corredor de Nacala, em Moçambique. No total, são mais US$ 4 bilhões em caixa.

De acordo com o executivo, o dinheiro desse financiamento da operação de carvão que divide com a japonesa Mitsui provavelmente será embolsado “nas próximas semanas”.

Sobre a nova política de dividendos — Schvartsman já declarou que pretende distribuir mais recursos a seus acionistas —, ele disse em evento realizado pelo Credit Suisse em São Paulo, que qualquer provento dependerá da geração de caixa. A base a ser levada em conta para se pagar ou não os investidores é essa porque o resultado líquido contábil é muito instável por conta do endividamento em dólar, especialmente, lembrou o executivo.

Fonte: Valor Econômico



SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE TRANSPORTES FERROVIÁRIO E METROVIÁRIO DOS ESTADOS DA BAHIA E SERGIPE.
Rua do Imperador, nº 353 - Mares - Salvador-BA | Tel: (71) 3505-1263 - Tel: (71) 3505-1258
Diretoria de Comunicação: Guilhermano da Silva Filho | Jornalista: Rodolfo Ribeiro ( DRT/BA - 3452 )

SINDIFERRO. © 2021. Todos os direitos reservados.