Notícias



Inércia do Poder Público gera prejuízos e sucateamento da malha ferroviária

Sem o governo federal assegurar uma política de aumento de demanda e do valor do frete para a ferrovia que corta Mato Grosso do Sul, a Rumo Malha Oeste S/A – que opera 1.973 quilômetros de ferrovia em solo sul-mato-grossense e paulista – registrou prejuízo superior a meio bilhão de reais nos últimos três anos, de acordo com relatório da empresa apresentado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Em 2015, foram R$ 141,7 milhões de saldo negativo, prejuízo que subiu para R$ 183,8 milhões em 2016 e chegou a R$ 187,1 milhões no ano passado, totalizando R$ 512,6 milhões.

Sem retorno econômico nesta malha, a holding Rumo – a qual a Malha Oeste é subordinada – foca seus investimentos em outro ramal, a Malha Norte, que começa em Mato Grosso, cruza a Região Norte e Nordeste de Mato Grosso do Sul e segue por São Paulo até o Porto de Santos. A empresa tenta obter junto à CVM autorização para emitir debêntures que vão garantir os investimentos superiores a R$ 4,7 bilhões a esta ferrovia.

O problema é que a Malha Oeste é paralela a esta Malha Norte, o que obriga a criação de demanda de produtos para viabilizar investimentos na ferrovia que corta Mato Grosso do Sul até Corumbá. Para tanto, o governo do Estado pretende transformá-la na Ferrovia TransAmericana – que vai ligar o porto da cidade de Ilo, no Peru, ao Porto de Santos (SP), passando por Mato Grosso do Sul. Desta maneira, ela poderá ter retorno financeiro e receber investimentos da iniciativa privada.

Em março deste ano, Jaime Verruck, secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Econômico de Mato Grosso do Sul, explicou que o governo já fez um estudo de viabilidade econômica, apurando que a ferrovia vai ter condições de transportar 40 milhões de toneladas de carga por ano.

“São combustíveis, grãos, soja, celulose e ureia proveniente da Bolívia”, destacou explicando que esta recuperação “precisa de um investimento muito alto. Um exemplo: hoje, 60% dos dormentes têm de ser jogados fora.

Vamos trocar toda a estrutura da ferrovia de dormente e trilho. Mas, mesmo com esta demanda, a ferrovia tem sua importância. Podemos aproveitar o leito que não vai ser modificado e, desta forma, não precisamos de nova licença ambiental [obras de duplicação da BR-163 chegaram a ficar paradas dois anos por falta desta licença]”.

Sem estes investimentos, ano após ano, a Malha Oeste só tem prejuízos, que já chegam a R$ 512,6 milhões em três anos. Até março de 2018, as perdas estavam em R$ 38,1 milhões, 35,1% inferior ao primeiro trimestre de 2017, quando o prejuízo foi de R$ 58,7 milhões, em consequência “do aumento da tarifa média de transporte e do crescimento na demanda de transportes de produtos agrícolas e industriais”, segundo relatório administrativo da empresa.

Porém, os relatórios não apresentam uma mudança de cenário de perdas em curto espaço de tempo. De acordo com parecer apresentado pela Rumo à CVM, os resultados das operações vão continuar a ser influenciados por “demanda por serviços logísticos, sazonalidade, ambiente macroeconômico brasileiro, volatilidade dos preços internacionais de petróleo, crescimento do Produto Interno Bruto no setor do agronegócio brasileiro e políticas tarifárias adotadas pelo governo brasileiro e pelos estados nos quais a companhia opera e, consequentemente, suas obrigações tributárias”.

 

PERFIL LOGÍSTICO

 

Anunciada pelo governo federal ainda para este ano, a expansão das concessões de ferrovias é considerada fundamental para atrair investimentos na malha ferroviária que corta Mato Grosso do Sul e mudar o perfil logístico do Estado, avalia o governador Reinaldo Azambuja. A fragilidade desse modal ficou exposta durante os 10 dias de greve dos caminhoneiros, quando o próprio governo do Estado viu-se obrigado a decretar situação de emergência em decorrência do desabastecimento e dos impactos sobre a cadeia produtiva.

“Eu entendo que a gente precisa mudar o nosso perfil logístico. Do que está dependendo para ter investimento na malha ferroviária? A expansão da concessão, para os investimentos possam vir”, afirmou, em referência ao planejamento divulgado pelo Ministério dos Transportes. Ao todo, cinco contratos de concessões de ferrovia, numa extensão de 12 mil quilômetros, incluindo 1,6 mil km da malha de Corumbá a Santos (SP), estão sob análise do governo federal para prorrogação.

“Já existe um hub ferroviário, porque o que nós vamos ter aqui não é uma ferrovia só de Mato Grosso do Sul, nós vamos ter uma Ferrovia TransAmericana, que vai ligar o porto de Santos aos portos do Oceano Pacífico. Então, acho extremamente fundamental e competitivo ao Estado. Nós não dependeríamos das rodovias. Se a ANTT [Agência Nacional de Transportes Terrestres] fizer a expansão das concessões, nós podemos já ter um modal ferroviário competitivo, que é a ferrovia que já corta MS”.

De acordo com o governo estadual, o custo da TransAmericana está estimado em R$ 2 bilhões. O investimento inicial será feito em modernização da malha ferroviária, que foi construída na década de 60 e está sucateada em quase toda extensão.

A Ferroeste, que sai de Dourados e vai até Paranaguá (PR), “é outro ramal de competitividade”. Orçado em R$ 10 bilhões, o projeto de construção é capitaneado pela companhia paranaense, Ferroeste.

Fonte: Correio do Estado



SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE TRANSPORTES FERROVIÁRIO E METROVIÁRIO DOS ESTADOS DA BAHIA E SERGIPE.
Rua do Imperador, nº 353 - Mares - Salvador-BA | Tel: (71) 3505-1263 - Tel: (71) 3505-1258
Diretoria de Comunicação: Guilhermano da Silva Filho | Jornalista: Rodolfo Ribeiro ( DRT/BA - 3452 )

SINDIFERRO. © 2021. Todos os direitos reservados.