Notícias



Longa espera e superlotação são comuns no sistema de trens

Quem utiliza trens do subúrbio  enfrenta uma série de transtornos por conta do estado de precariedade em que se encontra o sistema. Veículos enferrujados, janelas quebradas, lotação nos horários de pico e tempo de espera de 40 minutos entre um trem e outro são alguns dos problemas.

A equipe de A TARDE utilizou o sistema na quarta-feira, entre as estações de Paripe e Calçada e entrevistou pessoas que costumam usar o serviço diariamente. Nos 13,5 km percorridos, usuários reclamaram principalmente da estrutura dos veículos e da demora.

Essa situação, no entanto, está com os dias contados, pelo menos segundo expectativas do governo estadual, que pretende substituir o atual modelo pelo Veículo Leve Sobre Trilho (VLT) até 2017.

A licitação deve ser lançada até junho e as intervenções devem começar no segundo semestre deste ano. Enquanto o VLT não é implantado, usuários cobram melhorias a curto prazo e o estado destaca que investe cerca de R$ 20 milhões para manter o sistema.

Dificuldades

O compositor César Augusto Souza, 52, usa o trem diariamente e lamenta o estado  de degradação. “Nos horários de pico, é lotado,  pessoas são empurradas. É uma humilhação. É um meio de transporte barato e que não enfrenta congestionamento, poderia ser mais valorizado”, diz.

A viagem entre as duas estações dura cerca de 30 minutos. A equipe de A TARDE embarcou no trem por volta das 12h10. A estação com maior demanda é a do Lobato, onde os vagões costumam lotar.

Segundo o presidente da Companhia de Transportes do Estado da Bahia (CTB), José Eduardo Copello, o sistema transporta diariamente cerca de 14 mil pessoas, em média, nos dias úteis. A tarifa é de R$ 0,50. Nas estações, apesar de haver serviço de  limpeza, a infraestrutura está precária. Usuários reclamam que muitas estão com a iluminação e o teto comprometidos. Dez estações compõem o sistema.

Copello ressalta que o estado recebeu o sistema da prefeitura em 2013 em situação precária. “É um  sistema antigo que vem ao longo do tempo deteriorando bastante, tanto do ponto de vista tecnológico quanto de infraestrutura”, frisa.

Entre os problemas encontrados, ele destaca que uma das vias não tinha condições de uso. “Já fizemos a composição da segunda  via, concluída em dezembro de 2014, quando também finalizamos os serviços de sustentação de aterros das cabeceiras da ponte São João”, afirma o gestor.

No último dia 10, com as chuvas em Salvador, o serviço foi interrompido por conta do acúmulo de detritos nos trilhos.

“São resíduos que a população, em alguns casos, coloca na linha, além da drenagem externa do município que deságua na ferrovia. Para o serviço,  não por causa da CTB”, frisa.

Com relação à infraestrutura, ele pontua que a manutenção é custosa e há dificuldade para encontrar peças, que muitas vezes não são mais fabricadas, por conta da idade dos veículos, datados da década de 1950.

Vandalismo

Em muitas partes do trem é possível observar assentos danificados por materiais cortantes. Copello conta que há diversos casos. Os próprios passageiros admitem que pessoas depredam o equipamento, mas dizem que este problema é menor ante os demais.  “É preciso uma resposta logo. O trem é uma alternativa maravilhosa para o saturado transporte rodoviário”, diz o professor Nilton Magalhães, 54.

O aposentado Raimundo Marques, 63,  vê melhoras desde 2013. No entanto, cobra mais ações: “Quem pega todos os dias tem medo de acidente, não se sente confortável nem seguro”.

Estado

A licitação para a implantação do VLT, que vai substituir o sistema de trens do subúrbio, deve ser lançada até junho, enquanto as obras, com investimento de R$ 1,1 bilhão, devem começar no segundo semestre.

Além dos 13,5 km já existentes, o VLT será expandido  da Calçada ao Comércio e de Paripe até São Luiz, nas proximidades da divisa entre Salvador e Simões Filho. No total, serão 18,5 km e 22 estações.

Além disso, o secretário da Casa Civil do estado, Bruno Dauster, anunciou que o VLT será estendido até a Lapa, a partir de um trecho de um km, com  viaduto e  túnel que serão construídos. Desta forma, a Lapa será um ponto de convergência entre trem, metrô e ônibus, com o BRT Lapa-LIP, de responsabilidade da prefeitura.

A previsão, destaca Dauster, é que em 2017 Salvador conte com 60 km de transporte público sobre trilhos, com o metrô e o trem. “Vamos trazer o transporte urbano de Salvador para o século XXI”.

Metropolitano

O estado planeja, ainda, implantar o VLT Metropolitano, integrando os municípios de Candeias, Simões Filho, Camaçari e Dias D’Ávila, na Grande Salvador.
Ainda não há data para início ou investimento, mas Dauster diz ser “compromisso” do estado implantar até o final da gestão, em 2018.

“Vai interligar grandes polos de trabalho, como a Refinaria Landulpho Alves, CIA, Porto de  Aratu e o Polo de Camaçari”, afirma. Ele lembra que nos próximos 60 dias será lançada a licitação para a linha 3 do metrô, ligando Pirajá a Águas Claras, para onde será transferida a rodoviária.



SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE TRANSPORTES FERROVIÁRIO E METROVIÁRIO DOS ESTADOS DA BAHIA E SERGIPE.
Rua do Imperador, nº 353 - Mares - Salvador-BA | Tel: (71) 3505-1263 - Tel: (71) 3505-1258
Diretoria de Comunicação: Guilhermano da Silva Filho | Jornalista: Rodolfo Ribeiro ( DRT/BA - 3452 )

SINDIFERRO. © 2021. Todos os direitos reservados.